Sistema Fecomercio Sesc Senac IPDC

Confiança do Consumidor cai, mas mantem tendência de recuperação

foto comercio

Confiança do Consumidor cai, mas mantem tendência de recuperação

De acordo com pesquisa realizada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Ceará (Fecomércio/CE), em setembro, o Índice de Confiança do Consumidor de Fortaleza (ICC) apresentou redução de -2,9%, passando de 108,7 pontos, em agosto, para 105,5 pontos neste mês. Apesar da queda, o ICC mantém a tendência de recuperação iniciada no final do ano passado.

O resultado do ICC foi influenciado pela contração dos seus dois componentes: o Índice de Situação Presente teve decréscimo de -1,9%, passando de 99,7 pontos em agosto para 97,8 pontos neste mês e o Índice de Situação Futura caiu -3,5%, atingindo o patamar de 110,7 pontos.Expectativa dos consumidores

A pesquisa revela que, em setembro, 42,0% dos entrevistados mostram boa disposição para a compra de bens duráveis. Dentre aqueles que demonstram maior entusiasmo, destacam-se os consumidores do sexo masculino (45,4% dos entrevistados afirmam que setembro é um bom momento para compra de bens de consumo duráveis), do grupo com idade entre 18 e 24 anos (44,8%) e com renda familiar entre cinco e dez salários mínimos (47,6%).

O estudo também mostra que 59,7% dos consumidores de Fortaleza consideram que sua situação financeira atual está melhor ou muito melhor do que há um ano – taxa levemente abaixo da verificada em agosto (60,2%). Já as expectativas com o futuro se mostram mais otimistas, com 77,8% dos entrevistados acreditando que sua situação financeira futura será melhor ou muito melhor do que a atual.

Por outro lado, a pesquisa aponta que o consumidor de Fortaleza tem mostrado preocupações com o ambiente econômico nacional, com 56,0% dos entrevistados descrevendo-o como ruim ou péssimo. Esse sentimento, segundo o levantamento, recebe influências da percepção das incertezas ainda existentes sobre o quadro de recuperação econômica e das dúvidas do cenário político.

Pretensão de compra
A taxa de pretensão de compras teve declínio de -6,4 pontos percentuais, passando de 35,7%, em agosto, para 29,3% neste mês, situando-se, também, abaixo da observada no mesmo mês do ano passado (31,9%).

Após a Copa do Mundo de Futebol, a demanda de televisores ganhou concorrência com os artigos de vestuário, mas o calendário de promoções do varejo alimenta a procura por bens de consumo duráveis para o lar, conforme sugere a lista de produtos mais procurados: televisores, citados por 19,2% dos entrevistados; artigos de vestuário (18,6%); móveis e artigos de decoração (12,4%); calçados (12,4%); geladeiras e refrigeradores (11,9%); fogões (9,6%); e automóveis (8,1%).

O valor médio das compras é estimado em R$ 569,39 e a intenção de compra mostra-se mais elevada para os consumidores do sexo masculino (29,7%), mais vigorosa para o grupo com idade entre 18 a 24 anos (36,3%) e com renda familiar de até cinco salários mínimos (30,1%).

Voltar