Sistema Fecomercio Sesc Senac IPDC

Pesquisa IPDC

Pesquisa Mensal do Comércio Varejista

 

Introdução

O Ceará faz parte do painel dos estados brasileiros que geram as informações componentes do Índice Nacional do Comércio Varejista, calculado pela Confederação Nacional do Comércio – CNC. Para tal, o Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento do Comércio – IPDC desenvolve uma pesquisa mensal junto ao comércio, que gera as estatísticas referentes à Região Metropolitana de Fortaleza necessárias à composição do índice nacional.

Esta pesquisa tem como objetivo produzir indicadores mensais do desempenho do comércio varejista como um todo e dos seus vários ramos de atividade. Assim sendo, a informação produzida pela pesquisa baliza a atividade econômica de curto prazo, permitindo que as empresas avaliem sua posição em relação ao desempenho médio dos ramos onde estão inseridas.

Desta forma a cada mês, o empresário dispõe dos resultados da pesquisa nos diversos segmentos e ramos de atividades, permitindo assim a utilização de um novo instrumento de trabalho que possibilita analisar o comportamento das vendas, formas de pagamento, nível de emprego etc.

Conhecer o comportamento conjuntural do comércio cria, com certeza, vantagens competitivas tanto para as empresas quanto para as associações de classe que as agregam. Para as empresas porque tornam possível comparar seus desempenhos com o do setor a que pertence e com o comércio como um todo e assim avaliar o seu desempenho relativo, que muitas vezes é até mais importante do que o desempenho individual. Para as associações de classe, porque bem informadas podem defender de maneira mais fundamentada os interesses de seus associados.

Para que as informações tenham ampla divulgação é produzido um relatório, com periodicidade mensal, onde o Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento do Comércio – IPDC divulga o comportamento do comércio na região metropolitana de Fortaleza. Neste relatório, são publicadas informações sobre o comportamento do comércio varejista com um total de onze grandes segmentos, a saber: (1) Lojas de Utilidades Domésticas, (2) Lojas de Eletroeletrônico, Óticas e Cine-Foto-Som, (3) Móveis e Decorações, (4) Lojas de Vestuários, Tecidos e Calçados, (5) Supermercados, (6) Farmácias e Perfumarias, (7) Lojas de Concessionárias de Veículos, (8) Lojas de Autopeças e Acessórios, (9) Lojas de Materiais de Construção, (10) Combustíveis e Lubrificantes e GLP.

População Pesquisada

Considerou-se como Comércio Varejista “a atividade comercial estabelecida com 51% ou mais de vendas destinadas a consumidores finais, com 51% ou mais destes constituídos de pessoas físicas e que tenham no mínimo um empregado registrado por estabelecimento”. Dessa forma, ficou excluída grande parte dos pequenos estabelecimentos de varejo, principalmente os familiares, tais como, mercearias, sacolões, mercadinhos, quitandas etc.

Observa-se, portanto, que a pesquisa se restringiu às atividades mais representativas do comércio varejista em termos de receita, salário e pessoal ocupado.

Também, por ser o comércio varejista de Fortaleza caracterizado pela grande heterogeneidade de suas empresas, em razão dos diversos produtos que transaciona, quantidade de empregados, porte etc, houve necessidade de classificá-lo em ramos de atividades com a finalidade de se obter um aumento na precisão das estimativas populacionais, considerando-se cada ramo de atividade uma população independente.

Estratos
Tendo em vista que após a divisão as empresas tendem a permanecer heterogêneas dentro de cada atividade quanto ao porte, procurou-se dividi-las em subpopulações por meio do critério definido Dalenius-Hodge. Para tanto, adotou-se como variável de estratificação o faturamento anual, por se entender que seria a melhor maneira de medir o porte das empresas (Micro, Pequena, Média e Grande), permitindo, dessa forma, transformar uma população heterogênea em homogênea, diminuindo a dispersão entre elas.

Amostragem
No que concerne ao cálculo do tamanho mínimo da amostra, fez-se opção pela técnica de amostragem estratificada denominada Partilha Ótima de Neyman, utilizando uma margem de erro fixada em 5,5% com nível de segurança de 95%.

Seleção das Unidades Amostrais
Definido o tamanho mínimo da amostra em 596 empresas, selecionou-se as unidades amostrais, ou seja, as empresas varejistas por meio de sorteio aleatório levando-se em consideração o porte das empresas e seu respectivo grupo de atividade.

Instrumento de Coleta e Pesquisa

A coleta de dados foi feita por uma equipe de pesquisadores credenciados e devidamente treinados pelo Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento do COMÉRCIO – IPDC, nas unidades amostrais selecionadas, por meio da aplicação de questionário previamente elaborado e testado.

Perspectivas
A Pesquisa Mensal do Comércio Varejista constitui, tal como ocorre em outros estados, em instrumento importante no processo de tomada de decisões empresariais, em termos de: INVESTIMENTOS, priorização de atividades, identificação de tendências do consumidor e do mercado; adequação a novos padrões, redefinição de diretrizes, alterações nos padrões de consumo, melhorar a inserção no mercado, além, evidentemente, de ser importante sinalizador quanto a conjuntura econômica.

Periodicidade Mensal
A pesquisa é divulgada refere-se ao mês anterior. Ex. Em fevereiro sai a pesquisa de janeiro.
Francisco Estevam Martins de Oliveira
Estatístico – CONRE 6183

Galeria de fotos

Veja mais

Certificação Digital

Contribuições

Assessoria Institucional e Representações